Banner
Você está aqui: Página Inicial / Notícias Terre des hommes / Ações em favor da infância e juventude são propostas no VIII Café Restaurativo

Ações em favor da infância e juventude são propostas no VIII Café Restaurativo

Cerca de 40 atores estratégicos participaram do encontro, entre eles promotores de justiça, juízes, defensores públicos, atores do sistema socioeducativo, educadores e alunos de escolas públicas.
Ações em favor da infância e juventude são propostas no VIII Café Restaurativo

Adolescentes estiveram presentes durante todo o Café Restaurativo

O VIII Café Restaurativo com o tema: Perspectivas 2015 para atenção à infância e juventude: recomendações do Congresso Mundial de Justiça Juvenil realizado em Genebra, aconteceu na manhã desta segunda-feira (23.03) no auditório da Escola Superior do Ministério Público do Ceará. O momento de diálogo foi realizado por Tdh Brasil, junto com o Ministério Público do Ceará (MPCE), Escola Superior do Ministério Público do Ceará (ESMP) e Defensoria Pública do Ceará.

Cerca de 40 atores estratégicos participaram do encontro, entre eles promotores de justiça, juízes, defensores públicos, atores do sistema socioeducativo, educadores e alunos de escolas públicas. Também estiveram presentes a Vice-Governadora do estado do Ceará, Izolda Cela, o Secretário da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS), Josbertini Virgínio Clementino, e o Secretário da Secretaria Municipal do Trabalho, Desenvolvimento Social e Combate à Fome (SETRA), Cláudio Ricardo Gomes de Lima.

Através do trabalho de articulação em parceria com instituições governamentais, não-governamentais, do sistema socioeducativo e comunidades, Tdh Brasil reuniu no mesmo espaço, atores estratégicos para traçar caminhos para qualificação do atendimento socioeducativo a infância e juventude, e ações de prevenção a violência juvenil no Ceará para o ano de 2015.

Entre as principais ações apontadas estão: qualificar o primeiro atendimento aos adolescentes que cometem um ato infracional; formação de atores do sistema de justiça com vista a uma mudança de paradigma punitivo para restaurativo (Escola da Magistratura, Escola Superior do Ministério Público, Escola da Defensoria Pública e Academia Estadual de Segurança Pública); ampliar a mediação de conflitos nas escolas; fortalecer a comunicação com os comitês: Crack, é possível vencer e Segurança Cidadã; continuar com os estudos do Grupo de Trabalho do SINASE; e trabalhar com o Ministério das Comunicações para monitorar as ações da mídia contra a violação dos direitos de crianças e adolescentes. Um grupo de trabalho foi formado pelos participantes para monitorar o andamento das ações, que serão avaliados no próximo Café Restaurativo ainda sem data definida. Uma nova reunião foi agendada para o dia 7 de abril onde novas propostas serão apresentadas.

Para a Vice-Governadora do Estado do Ceará a Mediação de Conflitos é uma excelente estratégia de prevenção a violência juvenil. “Uma ação forte da prevenção que devemos investir é a Mediação de Conflitos, como metodologia, como medida de resolução positiva de conflitos”, aponta. Segundo Izolda Cela é preciso expandir os projetos de Mediação de Conflitos. “Uma ideia que devemos amadurecer mais é a expansão desses espaços onde é trabalhada a mediação. Tanto a nível da escola, como a nível da comunidade”, concluiu.

A aluna Silvia Helena, beneficiária do projeto de Mediação de Conflitos de Tdh Brasil na Escola Municipal José Torres de Melo, afirma que o diálogo é importante para evitar a violência. “Acho importante essa questão do diálogo, percebemos que tem pessoas que não utilizam a violência para nos ajudar, isso nos passa muita confiança”. Para a adolescente o diálogo melhorou a convivência na escola. “Na escola melhorou a convivência entre os professores, alunos e pais. Isso nos mostra que realmente podemos contar com vocês (atores do sistema de justiça), nos vemos que vocês querem ajudar mesmo a gente, isso é muito bom”, concluiu.

Tdh Brasil desenvolve um trabalho com foco nas práticas restaurativas, em parceria com atores governamentais e não governamentais, comunitários e do sistema socioeducativo, de forma a envolvê-los na gestão autônoma de conflitos e que possam ser garantidos os direitos fundamentais de crianças e adolescentes.

Leoberto Narciso Brancher
Leoberto Narciso Brancher disse:
25/03/2015 09:08

Parabéns pessoal da Tdh. Queremos tomar esses cafezinhos restaurativos por aqui também. Quem sabe isso vira uma cafeteria com franquias espalhadas Brasil afora!