Banner
Você está aqui: Página Inicial / Notícias Terre des hommes / Profissionais participam de oficina e compartilham experiências de prestação de serviço à comunidade

Profissionais participam de oficina e compartilham experiências de prestação de serviço à comunidade

A oficina teve o objetivo de aprimorar a gestão das instituições que oferecem a possibilidade da prestação de serviço à comunidade por parte de adolescentes que cometeram ato infracional e estão cumprindo medidas socioeducativas, impactando assim diretamente nos beneficiários do Instituto Tdh Brasil.

O Instituto Terre des hommes Brasil promoveu no dia 18 de julho em sua sede a oficina “Prestação de Serviço à Comunidade (PSC): a importância da participação da comunidade no atendimento ao adolescente em conflito com a lei”, mais uma ação de incidência política do instituto junto às organizações com o objetivo de articular e gerar ações integradas para garantir os direitos das crianças e dos adolescentes que residem em comunidades que passam por situação de vulnerabilidade social. A intenção é aprimorar a gestão das instituições que oferecem a possibilidade da prestação de serviço à comunidade por parte de adolescentes que cometeram ato infracional e estão cumprindo medidas socioeducativas, impactando assim diretamente nos beneficiários do Instituto Tdh Brasil. A oficina foi ministrada pela técnica em Justiça Juvenil Carolina Oliveira; e contou com a participação do promotor de justiça Dr. Luciano Tonet, titular da 6ª Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Fortaleza; de assistentes sociais, coordenadores de projetos sociais de organizações de sociedade civil, educadores, professores, entre outros profissionais que lidam direta e indiretamente com o público infantojuvenil em Fortaleza.

No início da capacitação, os participantes compartilharam experiências que tiveram com adolescentes em suas atividades profissionais. Eles falaram sobre a necessidade de apoio para as instituições compreenderem as medidas socioeducativas, da equipe que lida com o atendimento direto ter uma mais informação sobre o tema que atua, a estigmatização da juventude, compartilharam que existem altos índices de descumprimento, da necessidade de agregar a linguagem à juventude, da importância do trabalho de sensibilização das instituições, a importância de se trabalhar a autoestima e a valorização do jovem, a prevenção da violência, a integração da família e da comunidade na medida socioeducativa, a influência do contexto da

violência na qual o adolescentes está inserido, da necessidade de estar atento às interferências no descumprimento das medidas, o valor de aproximar o serviço das habilidades dos adolescentes entre outras questões à PSC. Na sequência, a advogada Carolina Oliveira deu continuidade à apresentação do conteúdo da oficina.

Para o promotor de justiça Dr. Luciano Tonet, a oficina objetivou articular as instituições parceiras que prestam serviço ou alguma atividade de interesse dos adolescentes para que se tornem parceiras dos Centros de Referência Especializado da Assistência Social (Creas) e do Sistema de Justiça, na aplicação das medidas socioeducativas em meio aberto, principalmente, as prestações de serviço à comunidade e liberdades assistidas (LAs). “Assim, poderemos ressignificar o adolescente na própria comunidade dele e inseri-lo de uma forma a dar outras oportunidades e mostrar a ele outras possibilidades. O adolescente vai cumprir a medida socioeducativa, se responsabilizar por ela e ao mesmo tempo vai ver de uma forma mais pedagógica, digamos assim, outras possibilidades e outros rumos que ele pode dar para a vida dele”, afirmou o promotor Luciano Tonet.

Ele considera a oficina interessante porque oportuniza a articulação com outras entidades. “Lógico que é a capacitação é apenas um primeiro momento. Vai depender que as entidades realmente se aproximem, e que os conselheiros tutelares, as equipes dos Creas e a comunidade se aproprie do sentido do objetivo da oficina, que é aproximá-las e trazê-las para que juntos todos consigam se articular, e nisto fazer com que os adolescentes sejam responsabilizados em primeiro momento, mas ao mesmo tempo, que eles ressignifiquem as suas trajetórias de vida, que eles vejam outras possibilidades. Então, a partir disto, quando temos este conceito em mente, nós vemos que é capaz de acontecer toda uma mudança social a partir disto”, complementou.